sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Agora é que isto vai...

O Aguiar não quer gatos em casa.
A Troika não quer gatos na rua.
Só há uma solução: o meu atelier/escritório/armazém.
Let me introduce you.....Suzy!

Realmente...os gatos ficam doidos com ratos, mesmo os de computador...




quinta-feira, 17 de outubro de 2013

ENTÃO OS ESTRANJUCAS FALADORES VÊM DE ONDE SEGUE:

Arromeno - Os representantes vêm da Roménia, mas a língua é falada por cerca de 1500 pessoas, ao longo dos Balcãs, na Roménia, Grécia, Macedónia, Albânia, Bulgária e Sérvia. Os falantes são maioritariamente nómadas, pastores. Musica tradicional Arromena, interpretada por Florentina Costea.
Bretão - O representante vem da região francesa da Bretanha. É poeta e vem declamar. Do País de gales vem também um músico tadicional.
Fala - Língua falada na Estremadura de Espanha. Vêm apresentar um espetáculo de teatro.
Friulano - Língua falada na região nordeste da Itália por cerca de 500.000 pessoas. Vêm apresentar uma seleção de filmes apresentados no festival de cinema de língua friulana.
Ladino dolomítico - Língua falada por 35.000 pessoas no norte da Itália. Vêm cinco músicos que cantam apenas na sua língua.
Istrorromeno - Vêm da Croácia. A língua é falada por apenas 110 pessoas. Trazem vários tipos de música e canto.
Ladino - Língua falada por judeus expulsos de Espanha pela inquisição. É parecido com o espanhol, mas tem elementos do português, do galego, do francês e do italiano. Com a diáspora dos judeus, a língua espalhou-se por muitos países e é falada em Israel, nos Estados Unidos, e em muitos dos países que formavam o antigo império otomano, por cerca de 100.000 pessoas. Vamos poder ver o documentário "Salvo pela Língua", que conta a história de um rapaz judeu de 11 anos que fugiu do comboio que o levava para um campo de concentração. Por falar ladino conseguiu entender-se com italianos que o esconderam durante a II guerra mundial.
Laz - Língua falada na Turquia, na região do Mar Negro, por entre 250.000 e 500.000 pessoas, incluindo as que vivem na região da Mármara. Não trazem apresentação, mas vão ter um stand de exposição.
Ligure - Vêm de Itália, mas a língua é também falada em França, no Mónaco e, levada por emigrantes, no Bairro de La Boca em Buenos Aires. Vêm cantar e tocar musica tradicional e declamar poesia.
E, last but not least, o nosso MINDERICO - Falado apenas no nosso Ninhou (desculpem mirenses, mas as verdades são para serem ditas), por cerca de 150 pessoas (diz a Vera, mas acho que com muito otimismo, vá lá que sejam... 5, incluindo ela própria...). Como vêm temos mesmo que proteger a nossa língua, somos a língua mais ameaçada de todas! Teremos na feira uma representação do Cidles, uma da Casa do Povo e uma do CAORG e no festival de bandas vamos ser representados pelos grandes BANDALHEIRA, numa estreia absoluta a cantar em minderico (que é como quem diz, a gargantear à modeia).
O encerramento da feira vai ser pelo Charales Chorus.
A ENTRADA NA FEIRA É GRATUITA!!!
VAI SER BRUTAL!!!

UMA MÃO CHEIA DE NADA E OUTRA DE COISA NENHUMA

Ontem foi assim, montar um pavilhão de exposições a partir de... nada.
A Vera, do Cidles, pediu-nos ajuda já há algum tempo para a feira das línguas ameaçadas, que começa hoje. Ok, pedem-nos ajuda para muita coisa... e nós não costumamos dizer que não.
Mas desta vez foi diferente: porque o Cidles são poucas pessoas e o evento não é bem uma daquelas coisas caseirinhas que estamos sempre a fazer em Minde. Não, desta vez é um evento grande, internacional. Vêm delegações de 11 países à nossa santa terrinha, mostrar e divulgar as suas línguas. Há muitas destas pessoas que vêm a Portugal pela primeira vez. E vão a uma conferencia a Lisboa? Vão a uma exposição no Porto? Vão a um congresso no Algarve?
Não! Vêm a Minde! A MINDE!
Ao nosso pequeno penico no meio da Serra d'Aire.
E que impressão queremos nós causar a esta gente? O que queremos que digam de nós quando voltarem para as suas terras e para as suas universidades. Pois, porque não são turistas que vêm, são professores catedráticos, são estudiosos, são artistas que divulgam as suas culturas ameaçadas.
Gostava de colocar estas perguntas à nossa Presidente da Câmara. À nossa presidente, que prometeu pouco e parte não cumpriu. Á nossa presidente que teve a distinta lata de dizer que já estava a colaborar muito por imprimir material na reprografia da Câmara e depois até nisso falhou: deu ordens ao funcionário para passar outros trabalhos à frente deste. Ou seja, os programas foram trazidos da Câmara ontem à noite. O Festival começou hoje...
E nesta mesma semana disse que afinal já não podia dar os 5000€ com que se tinha comprometido.
Enfim, em Minde já estamos habituados a fazer tudo sozinhos, o que não sair das mãos do povo, não acontece. Mas desta vez, bolas, é um evento importante que poria qualquer concelho a estalar de orgulho (qualquer concelho, menos o nosso...)
Ou seja, o que pretendo dizer é que a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia deram apoio, sim, mas manifestamente insuficiente.
E assim foi que a Calos e eu ontem, ajudadas por alguns voluntários de boa vontade, montamos um pavilhão de exposições a partir de lixo, cordel, alcatifas em segunda mão, trapalhadas que andam pela fábrica, objetos de cena do teatro e outras tralhas semelhantes.
No final não ficou mau. O material foi quase todo de borla, o pior vai ser pagar às designers!

Para onde vão os guarda-chuvas?

Amanhã é o dia por que espero há alguns meses. Finalmente, o dia 17 de Outubro.
Amanhã não vou perder tempo com o banho matinal. Não vou demorar na escolha da indumentária. Não vou ao café pela manhã, nem ao e-mail, nem ao facebook. Não me vou importar quer chova ou esteja sol. Amanhã estou-me cagando para o orçamento de estado. Nem vou pensar em pequeno almoço. Não vou conseguir trabalhar, concentrar-me ou produzir seja o que for. Amanhã, assim que o dia surja, vou rumar à livraria mais próxima e abarbatar-me das novíssimas 600 páginas desse gênio que será o nosso futuro Nobel da Literatura, Afonso Cruz, e quando vos voltar a escrever...já serei outra. Maior. Mais rica. 


Amanhã vou ser mais feliz com este livrinho do que se me tivesse saído um Rolls Royce num ovo Kinder.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

ELE 2013 - O FESTIVAL DAS LÍGUAS AMEAÇADAS

Vem lá mais um fantástico evento em Minde (não há pai para nós!!!): o primeiro festival europeu de línguas ameaçadas.
Sim é verdade, há mais (muitas mais) línguas ameaçadas no mundo além da nossa. O CIDLeS  é que está a organizar esta espantosa feira e, com recursos próximos do zero, conseguiu montar um programa fantástico que vai desde exposição, conferencias, festival de bandas a atuações dos mais variados conceitos artístico.
 E vai tudo decorrer em Minde, exceto as conferencias, que terão lugar no Carsoscópio.
Portanto, no próximo fim de semana, toda a gente para a Fábrica de Cultura, onde vai acontecer de tudo um pouco.
A mim o que mais me agrade é a Babel em que a Fábrica se vai transformar: imaginem 11 representações, cada uma a falar a língua do seu país misturada com a língua ameaçada que representa! Vai ser fantástico. Acho que vamos todos acabar a falar todas as línguas misturadas para nos fazermos entender.
Logo dou informações acerca das representações de línguas ameaçadas que virão. Para já, não deixem de marcar na agenda que sexta e sábado à noite vai haver festival de bandas, com bar, copos e conversa toda a noite! Em muitas línguas, claro!

Aqui fica o link para o site do evento com programação, e toda a informação necessária:
http://www.cidles.eu/events/conference-ele-2013/

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

ACAGRUPAIS

Um ACAmpamento do aGRUPamento com os PAIS!
Aqui ficam as imagens para quem não foi se babar de inveja!









sábado, 12 de outubro de 2013

Aca pais

Amanhã, ou melhor, logo, os meus rapazes vão para um acampamento de escuteiros. Mais um. Acontece que desta vez vão com a famélga toda atrás deles. Pai, mãe e irmanzita, tudo a acampar numa actividade dedicada aos pais dos escuteiros. Vamos dormir em tendas, fazer jogos, construções, fazer as refeições, tudo no campo, em modo escuta. No que me diz respeito, vou adorar! Vou lembrar e reviver os meus saudosos tempos de destemida exploradora da patrulha Raposa, especialista na arte do "Bate o pé" e da "Verdade ou Consequência", actividades obrigatórias nos acampamentos da época. Hihihihihi!!......
Shiiiiiiuuuuuu! Isto não se pode dizer.......

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

DELTA DO DANÚBIO


No fim de semana passado estive na Roménia/Bulgária. Visitámos o Delta do Danúbio.
O Danúbio é um dos maiores rios da Europa, passa por seis ou sete países e por várias capitais.
Desagua no Mar Negro, mas na sua foz assume a forma de um delta. Divide-se em três braços principais, intervalados com lagos, canais e pântanos. É uma área protegida do tamanho do Alentejo, o segundo maior ecossistema do mundo, a seguir às ilhas Galápagos.
A mim parece-me impossível uma maravilha ecológica destas, aqui na Europa e que era completamente desconhecida para mim.
Passeámos de barco a motor durante umas horas e pudemos ver paisagens únicas, muitos pássaros, peixes, pescadores, casas de férias de madeira, com telhado de colmo...
Muito bonito, recomendo!
 






Uma casa de pescador.




Uma garça.

Um pelicano.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

sábado, 5 de outubro de 2013

Não sendo uma obra prima da literatura...

...este livro torna-se obrigatório.
As origens da crise, os intervenientes, as causas, as soluções ou a falta delas, assassinatos, perseguições, cultos satânicos e códigos secretos, tudo se mistura numa tentativa de fazer chegar informação secreta sobre os verdadeiros culpados da crise ao Tribunal Penal Internacional. 
Recomendo, pois não sendo brilhante do ponto de vista literário, este livro é um bom romance, com um cheirinho de policial, e proporciona informação sobre os contornos mais profundos da crise duma forma descomprometida e cinematográfica.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Nova peça de teatro de Tiago Rodrigues

Há pois é bebe, temos o livrinho, acabadinho de lançar, com a nova peça do grande Tiago Rodrigues. Ainda por cima autografado pelo próprio, com direito a dedicatória a tudo. 

Embora para o palco?...ah?...

EU, EM MODO DONDOCA - III

Hoje, estar linda e maravilhosa para ir ver o Meupríncipe a Bucareste!!!

terça-feira, 1 de outubro de 2013

COISAS QUE ME ENERVAM

Se há coisa que me enerva são textos mal escritos, erros de ortografia, erros de construção frásica, palavras mal empregues, etc. Principalmente quando se tratam de textos oficiais. A quantidade de disparates que se vêm em requerimentos, despachos, sentenças e afins por esse país fora é alarmante. Pelo menos quem escreve por profissão, deveria fazê-lo bem.
Vem isto a propósito de um requerimento para aprovação de uma propriedade horizontal, apresentado à Câmara Municipal, que tenho aqui na minha frente. Só aqui ponho a primeira página, já chega bem para se ver onde chega o desastre.


Transcrevo, tal como está escrito, com as correções da minha autoria:

"A presente memória descritiva serve de aditamento á (à) memória descritiva inicial referente ao processo nº ...., requerido pela Sra.... (é falta de educação referir-se a uma senhora como Sra., deve dizer- se a Sra. D.). O qual vem responder á (à) informação dos serviços nº...., nomeadamente ao solicitado nos pontos 3.a) e 3.b).
Face ao exposto em cima (acima) , voltamos a apresentar nova planta (se voltam a apresentar nova planta, já estão a apresenta-la pela terceira vez. Não é o caso, esta é só a segunda apresentação) de implantação cumprindo o regulamento previsto na constituição do regime de propriedade horizontal segundo (o) art. 143º-A (deve indicar de que diploma, neste caso do Código Civil), com as manchas que demarcam as fracções distintas e as zonas de circulação comuns.
Pois a apresentação anterior da descrição (,) quer em planta (,) como em testo (texto) da propriedade horizontal, (a virgula não está aqui a fazer nada) foi deduzida (quer dizer, induzida) em erro. Não se trata (tratam) de 4 fracções mas sim de duas fracções A/B, constituídas por:
. Fracção A - composta por (moradia unifamiliar; garagem, anexo/tertúlia) (uso incorreto dos parêntesis, o que está dentro dos parêntesis pode ser retirado da frase, é um aparte, neste caso devia ter usado dois pontos) (e falta a pontuação no final da frase, neste caso, ponto e virgula)
. Fracção B - (oficina) (falta a pontuação de novo)
. (não está a continuar a enumerar frações autónomas, pelo que não deve continuar a usar o.) salienta-mos (salientamos) que ambas as fracções contém (contêm) um logradouro respectivo a cada Fracção (fracção), assim como de um espaço (assim como um espaço) de uso fruto (usufruto) comum as (às) duas fracções.
As fracções A e B são Distintas (distintas) (o que se entende que estas unidades têm os seus limites claramente definidos); são fracções que possuem Acesso Próprio (acesso próprio) a cada fracção desde o acesso exterior das escadas até o (ao) edificado"
Só acrescento que é obrigatório o uso da forma de escrita aprovada pelo acordo ortográfico em documentos oficiais.
E pronto, advirtam-se!!!

Susana Tavares

A Susana Tavares é uma ilustradora da equipa Princess Pea. Trabalhamos juntas há algum tempo mas só na semana passada tive o prazer de a conhecer pessoalmente. Fiquei encantada! Parecia que nós conhecíamos há séculos. Encantou-me o seu trabalho, o seu atelier, a sua casa mas sobretudo a pessoa. A Susana é afável, muito simpática e daquelas pessoas especiais. Faz meditação, será por isso?

Fui a casa dela, um último andar num prédio antigo no Saldanha, buscar uma peça Frida Kahlo que ela tinha feito para mim há já algum tempo, e não consegui sair de lá sem um quadro para o meu quarto e outro para oferecer à Feridas (que fez anos).

Encantem-se com o trabalho dela e a casa que remodelou no seu blog em http://ateliersusanatavares.blogspot.pt/

Se forem atentos talvez consigam ver a minha Frida e o meu quadro com o "Anjo protector da família" ainda no atelier dela. O quadro que ofereci à Feridas também lá está. Conseguem adivinhar qual foi?
Óh Feridas queres mostrar?....