terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Aniversário da minha Vi...

...Ops! Desculpem, nada disso, reunião secreta de super-heróis.
9 anos que passaram sem que eu me desse conta...
Só peço a Deus que nos conserve esta vontade de nos divertirmos uns com os outros.
Família, amigos e Carnaval, o melhor do mundo! <3













terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Dia dos namorados

Mas porque raio é que eu, em quase 42 anos de vida, nunca, mas nunca, tive um namorado daqueles que neste dia é absolutamente surpreendente? Daqueles que nos leva a jantar num jacto privado a Paris, ou vá... ao Adlib a Lisboa, ou...à Nazaré comer uma mariscada, ou a Leiria ao Tromba Rija, ou assim à Pizzaria Vieira,...nem que fosse ao MacDonalds...
Bolas! Nunca tive jeito nenhum para escolher namorados...ráizuspartam!

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

O nosso fim de ano I - Shrek - o Musical

O nosso fim de ano foi agitado. Várias actuações do Shrek - O Musical, natal com tudo o que envolve e viagem a Londres, não tivemos tempo para nos coçar. Mas vamos por partes, e a primeira parte é mesmo o nosso Musical de Natal.

Não sei se já vos disse mas este ano contámos com a preciosa ajuda do António Lourenço que, não desfazendo no resto da equipa, veio dar uma lufada de ar fresco aos nossos musicais, ou melhor, um toque de requinte, um outro patamar. O António, como toda a restante família, é músico e cantor, mas é sobretudo um rapaz do Show Biss. Gosta de cantar e do mundo do espectáculo, mas tem um jeitinho muito especial para encenar, e ensinar a cantar. Claro que não faz milagres e no meu caso, que é um caso perdido, a ajuda dele não me adiantou grande coisa. Não sei cantar nada de jeito e ponto final, mas em contrapartida o meu desempenho como Burro foi muito fixe e toda a gente adorou, principalmente EU. Com excepção de um ou outro elemento do elenco, ninguém é cantor e como tal, a perspectiva de cantar num palco em frente a tanta gente tirou-nos o sono algumas noites, mas adiante que para a frente é que é Lisboa, e artista que se preze, não se deixa intimidar com meia dúzia de notas ao lado ;-)
O musical foi um assumido sucesso de bilheteiras, com 5 ou 6 casas cheias. Para nós foi, como sempre, motivo de muita diversão, partilha, convívio, e amizade.
Como diz a Feridas, nós fazemos isto por 2 motivos: para nos divertirmos porque adoramos tudo o que envolve levar uma peça destas a palco e pelos nossos filhos, para lhes proporcionar estas experiências de organização, de empreendedorismo, de enfrentar o público, de partilha de emoções. Cumprimos ambos os propósitos!




















sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Lixado, lixado, para não dizer pior...

...é estar completamente afonica em vesperas de estreia de teatro. Antibiótico, anti-inflamatório, pastilhas para a garganta de vários tipos, mel, gengibre, chá de casca de cebola, tudo! Só me falta este: perpétuas roxas!
Se não resultar vai um malhão de aguardente, que pode não resultar mas pelo menos alivia a tensão.

domingo, 20 de novembro de 2016

A minha Vi

Quis que eu a ensinasse a fazer coisas no Corel Draw. Dois minutos de lição e já se desenrasca. A curiosidade e vontade de aprender desta miúda é imparável. Até me cansa...
Xiça fanico!...

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Vamos abrir a nossa Pop Up Store

Gosto do termo Pop Up Store, lembra-me a explosão de uma pipoca, o que é bom.
Estamos prontos e vamos abrir dentro de algumas horas.




terça-feira, 15 de novembro de 2016

Princess Pea's Pop Up Store

É só para dizer que eu sou perita em arranjar "lenha para me queimar", "sarna para me coçar", "areia para a minha camionete". Quando não tenho nada para fazer invento e, quando tenho muito que fazer, invento também. Se não gosto de estar sem fazer nada?!...Assim...inerte, com o cérebro quase em inactividade?!...Ao serão, no sofá, por exemplo?!...Claro que gosto, mão não consigo! :-(


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Obrigatório ver!

Mesmo! Na minha opinião, um sério candidato aos Oscars.
Capitão fantástico com esse senhor que responde por Viggo Mortensen.


quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Obrigar peixes a trepar a árvores

Tenho sempre um grande dilema dentro de mim relativamente ao meu papel de mãe: por um lado acho que devo exigir dos meus filhos, proporcionar-lhes aprendizagens e experiências, transmitir-lhes que o rigor, o esforço e a dedicação são necessários para atingirmos os nossos objectivos e sobretudo dou-lhes motivação, fazendo-os acreditar que são capazes; mas por outro lado tenho sempre uma vós que ouço cá de dentro que me diz que eles não são "operários altamente mecanizados", que ser muito bom a matemática, a história, a geografia, a inglês, a francês, a ciências, a físico-química, a formação musical, no futebol, no trompete, não é normal, porque as minhas crianças não são robots, são só crianças.
Tenho sérias duvidas se, entre uma agenda tão preenchida com tantas horas a lutar para aprender tudo aquilo que o sistema tem para lhes ensinar, lhes sobra tempo para se revelarem, para manifestarem as suas mais-valias, para mostrarem naquilo em são mesmo bons e fazerem aquilo que realmente os faz felizes...
Será legítimo obrigar um peixe a trepar uma árvore?...